• InicioPostagens RecentesEdifique Sua Mente!FilosofiaPensamentosFique Por Dentro!AgnosticismoAteismoBig BangBuddhaCiencia X ReligiaoConecimento CientificoDeismoIdeologia X AlienacaoReligiaoLearn English!ExtrasCuriosidades

    Mundo Estranho

    Cafe Escritor

    _____________________

    Albert Einstein

    "O ser humano vivencia a si mesmo, seus pensamentos como algo separado do resto do universo - numa espécie de ilusão de ótica de sua consciência. E essa ilusão é uma espécie de prisão que nos restringe a nossos desejos pessoais, conceitos e ao afeto por pessoas mais próximas. Nossa principal tarefa é a de nos livrarmos dessa prisão, ampliando o nosso círculo de compaixão, para que ele abranja todos os seres vivos e toda a natureza em sua beleza. Ninguém conseguirá alcançar completamente esse objetivo, mas lutar pela sua realização já é, por si só, parte de nossa liberação e o alicerce de nossa segurança interior."

    _____________________

  • Coment. Recentes:

    giovanna cunha em Brasileiro sugere existê…
    Claudio Rennó em Brasil está entre as se…
    thalhes em Inglês não…
    dorinha em Inglês não…
    wendy karoline em Inglês não…
    wlm em Inglês não…
    Dmingos José dos San… em Feira de Santana – …
    Talita em Inglês não…
    rivaldo em Inglês não…
    Ísis em Inglês não…
    Janaina em Inglês não…
    ayra em História da Líng…
    ayra em História da Líng…
    Fernando Borges em Inglês não…
    paulo cezar bastos d… em Feira de Santana – …
  • Arquivo:

Polvos Ciumentos

Polvos podem matar por ciúmes, dizem cientistas.

Origem: BBC Brasil.

 

Polvo Cientistas americanos dizem ter desvendado as táticas de conquistas de uma espécie de polvos na Indonésia e afirmam que, quando se trata de sexo, os moluscos gostam de paquerar e estariam dispostos a matar por ciúmes.

Os pesquisadores da Universidade da Califórnia, Berkeley, observaram durante várias semanas o comportamento sexual do Octopus abdpus aculeatus, uma espécie diurna de cefalópode que tem o tamanho equivalente ao de uma laranja pequena.

Entre as descobertas, os cientistas afirmaram que os machos não optam pela primeira fêmea que passa pela frente. Ao contrário, muitos escolhem uma parceira específica, guardando-a dentro de uma caverna durante vários dias.

Ao perceber a aproximação de um rival, muitos moluscos usam seus tentáculos para estrangular e matar o adversário.

Disfarce

Quando partem para a paquera ou para a briga, os machos ainda exibem listras marrons, símbolo de sua masculinidade.

Os especialistas explicam que por serem criaturas marítimas tímidas, até então era difícil interpretar o comportamento sexual dos polvos.

“Eles são obsessivamente discretos, solitários e bastante estranhos. É difícil estudá-los”, afirmou Roy Caldwell, pesquisador envolvido no trabalho.

Mesmo assim, o cientista não descarta que esse comportamento possa ser comum em outras espécies de polvo. “Essa não é uma espécie única de polvo, o que sugere que outros (polvos) se comportem desse jeito”, disse Caldwell.

Os cientistas ainda observaram que alguns machos se disfarçam de fêmeas para se aproximar delas e escolher sua preferida.

Para isso, nadam perto do chão da mesma forma como elas nadam e escondem a listra marrom.

Em geral, afirmam os especialistas, os machos escolhem fêmeas maiores porque elas colocam mais ovos, orginando grandes proles.

Há cerca de 300 espécies de polvos em todo mundo, desde os gigantes que habitam o Oceano Pacífico até os minúsculos que nadam em águas dos trópicos.

Os moluscos podem copular várias vezes ao dia ao atingirem a maturidade sexual.

Assim que recebe os espermas, a fêmea se retira em uma caverna onde deposita dezenas de milhares de ovos.

Durante esse tempo, que dura em média um mês, a mãe não pode sair para buscar comida e pouco depois do nascimento dos filhotes, morre de fraqueza.

O pai também morre alguns meses após iniciar a vida sexual, deixando milhares de órfãos.

“Não é o sexo que leva à morte”, esclarece a pesquisadora Christine Huffard.

“É que os polvos produzem apenas uma cria durante sua curta vida, que dura, em média, um ano.”

O estudo foi publicado na revista especializada Marine Biology.

 Retornar ao Topo da Página

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: